"Carta Dez" - Leitura de 23/12/2007
LETTERS FROM THE HEART (New York: Crossroad, 1988), pgs. 119-20.
Tradução de Roldano Giuntoli

O Natal é uma festa que pode abrir os corações de todos nós para a presença do Cristo. Nos defronta com as grandes qualidades da inocência e da esperança, que todos precisamos, se quisermos acordar para a sua luz e, nos enche de confiança, porque nos diz que os tempos antigos terminaram. A nova era, a nova criação, se iniciou e, o nosso ponto de partida, para encontrá-la por toda a parte, é o de entendê-la como uma realidade em nosso coração.

Nossa jornada se destina, portanto, a nossos próprios corações. Pelo fato de que todos nós somos convidados a adentrar esse templo e, a receber essa novidade da vida, precisamos reconhecer este período como o momento de colocarmos de lado tudo o que nos impede de abraçar o mistério de nossa própria criação e, de entrar na plenitude da vida, que recebemos como puro dom do eterno ato de criação do pai.

A importância do ensinamento da Encarnação é a de que o mistério de Deus, em sua eterna criatividade, não apenas nos é trazido mais próximo, mas, na verdade a nós se une. Não mais necessitamos materializar o mistério que passou a habitar nossos corações. Sabemos agora, que nosso despertar para sua realidade, é uma possibilidade iminente para cada um de nós, pois o despertar é um encontro encarnado. O júbilo ao qual essa festa deveria nos remeter, é o de que esse despertar não é o resultado de nosso próprio poder. Não mais estamos isolados numa dependência dos nossos próprios e inadequados recursos. Não é nosso próprio poder de sabedoria que nos conduz, mas, seu amor que está presente como luz da realidade suprema em nossos corações. A humildade de Jesus criança é nosso guia e instrutor. Em sua Luz, temos a Luz. Em seu Amor, temos o Amor. Em sua Verdade, somos feitos Verdadeiros.

É uma festa cheia de maravilhamento, cheia de esperança para todos nós, quem quer que sejamos, ou, onde quer que estejamos. É uma nova alvorada para toda a humanidade, que começa com um tênue, mas, determinado brilho, cuja crescente luz transforma o céu e a terra e, aumenta em luminosidade, até o dia perfeito.

Medite por Trinta Minutos
Sente-se confortavelmente, mas com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxado mas atento. Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a como quatro silabas de igual duração Ma-ra-na-tha, em ritmo lento. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense nem imagine nada - nem de ordem espiritual nem de qualquer outra ordem. Se pensamentos e imagens afluírem à mente, trate-os como distrações e simplesmente retorne à repetição da palavra.

Comunidade Mundial de Meditação Cristã