Reflexões da Quaresma

Durante toda a Quaresma, Dom Laurence envia suas reflexões diárias para a Comunidade.
Quaresma 2019 >
Quaresma 2018 >
Quaresma 2017 >
Quaresma 2016 >
Quaresma 2015 >
Quaresma 2014 >
Quaresma 2013 >

Encontre um Grupo de Meditacao Crista

Terça-feira da Quinta Semana da Quaresma

D. Laurence Freeman

Eu vinha sentindo há algum tempo que precisava de óculos mais fortes. Esta sensação cresceu até virar certeza, e parecia urgente.

Mas estava difícil ir, em Londres, ao oculista polonês que cuidou de meus olhos desde que eu era menino, pois ele está praticamente  aposentado, e fiquei um pouco preocupado com o longo intervalo em meu check-up regular.

Assim, quando eu estava passando um tempo mais demorado ensinando em Cingapura, decidi quebrar o hábito e examinar meus olhos lá. A loja, em um pequeno shopping, era pequena,  confusa e simples. O excêntrico optometrista chinês que evitou me olhar nos olhos enquanto não começou o exame, não inspirava confiança. Se ele tivesse feito alguma coisa além de testar meus olhos, eu teria encontrado uma desculpa para sair. Eu senti falta de meu velho e confiável amigo de Londres. Pensei se este homem não seria, de fato, um vendedor de sapatos cobrindo a folga de seu amigo, o verdadeiro optometrista, ou um pescador que examinava olhos em tempo parcial.

Depois do exame, ele soltou um grunhido indecifrável e começou a guardar suas lentes. Quando ele já ia saindo da sala sem mais comentários, rapidamente perguntei se ele poderia fazer óculos novos para mim antes de eu deixar Cingapura. Ele me olhou e disse “não é necessário” e saiu. Segui-o e ele confirmou que, de acordo com o seu teste, meus óculos atuais estavam perfeitamente corretos. “Mas ...” comecei a dizer e, em seguida, perguntei “quanto?” “Nada”.

E então, sua maneira excêntrica e estranha forma de fazer negócios entrou em foco. Percebi que eu confiava nele, e vi sua habilidade e integridade. Pensei que talvez eu estivesse enganado quanto ao enfraquecimento de meus olhos e, de fato, as coisas pareciam mais claras quando saí para a luz do sol.

É fácil convencer-nos de algo que não é verdade, e turvar a nossa própria visão da realidade. Esta é a forma mais perigosa de ilusão, pois acreditar sinceramente em algo torna mais fácil convencer os outros de que aquilo é verdade. Sociedades inteiras, e grandes instituições, podem assim trilhar o caminho ilusório rumo ao desastre, como aconteceu na última crise financeira.

Encontrar um profeta é encontrar alguém que diz a verdade tal como ele vê e que, além disso, está certo. Confiar neles é mais fácil se vemos que não têm algum outro interesse, ou desejo de agradar. A verdade lhes basta. Para ver claramente, vemos através de seus olhos.

“Nós, porém, temos a mente de Cristo.”

 


 

Texto original em inglês

 Tuesday of Lent – Week 5

I had been feeling for some time that I needed to get a stronger prescription for my glasses. This feeling had grown to a certainty and seemed urgent. But it proved difficult to go to the Polish oculist in London who has looked after my eyes since I was a boy as he has mostly retired and I felt a little anxious about the long gap in my regular checkup.

So, when I was spending an extended time of teaching in Singapore, I decided to break with old custom and get my eyes checked there. The shop in a small mall was pokey, cluttered and downmarket. The eccentric Chinese oculist who avoided looking me in the eye until he was examining my eyes did not inspire confidence. If he had been doing anything more than testing my eyes I would have found an excuse to leave. I missed my old trusted friend in London. I wondered if this man was really a shoe salesman standing in for his friend the real oculist or a fisherman who tested eyes part time.

After the examination he made an undecipherable grunt and started putting away his lenses. As he made to leave the room without further comment I quickly asked him if he could prepare new glasses for me before I left Singapore. He shot a look at me and said ‘not needed’ and left. I followed him and confirmed that according to his test my present glasses were perfectly alright. ‘But..’ I began to say and then asked ‘how much?’ ‘Nothing’.

Then his eccentric manner and strange way of doing business came into focus. I realised that I trusted him and saw his skill and integrity. I thought maybe I had probably been wrong about my eyes weakening and true enough things looked clearer when I walked out into the sunlight.

It is easy to convince ourselves of something that is not true, to blur our own vision of reality. This is the most dangerous form of illusion because believing in something sincerely makes it easier to convince others it is true. Whole societies and major institutions can walk the primrose path to disaster this way as happened in the last financial crisis.

To encounter a prophet is to meet someone who tells the truth just as he sees it and who is also right. It helps to trust them that they have no vested interest or desire to please. The truth is enough for them. To see clearly we see through their eyes.

‘We however possess the mind of Christ’.

 

 

 
O primeiro tipo de silêncio é o da língua. São Tiago aborda esse assunto quando ele exorta seus primeiros companheiros-cristãos a vigiar seus discursos. A língua é como um leme, diz ele, muito pequeno, mas com uma grande influência sobre o rumo que estamos tomando. É mais do que óbvio que nós devemos controlar nossa fala quando dizemos alguma coisa com veemência, meramente ofensiva ou maliciosa seja direta ou escondida no humor. É bem difícil, porque gostaríamos de arrancar nossos sentimentos de raiva de nosso peito. Mas as palavras ditas com raiva e com a intenção de machucar (pois a outra pessoa as merece) caem na mesma armadilha de qualquer violência. Nunca alcança o que promete e sempre piora a coisa.
 
Há, no entanto outro tipo de restrição da fala. A maioria dos nossos enunciados é irracional, não significam o que dizem; muitas vezes seu significado principal é para preencher o constrangimento do silêncio e é geralmente bastante trivial. Não quero dizer que devemos sempre falar sobre realidades sublimes; mas nós sempre devemos comunicar algo útil, significativo ou efetivo. Tagarelice é o equivalente verbal de promiscuidade. Controlar a língua, saber quando começar a falar e quando parar é como ser casto.
 
Quando sentamos para meditar a etapa primeira e óbvia é parar de falar, sem mover nossos lábios ou língua enquanto dizemos o mantra. Com as crianças às vezes dizemos o mantra em voz alta algumas vezes com a diminuição de volume e eles logo descobrem que podem recitá-la interiormente e silenciosamente. Isso é um grande alívio, porque muitas vezes não percebemos como nossa maneira de falar pode ser indisciplinada e superficial ou quantas vezes nós resvalamos para a fofoca. Descansar a língua liberta a mente para que ela se mova em direção ao coração.
 
Mas primeiro temos que lidar com o que está perturbando o outro nível, onde o silêncio tem algo mais a nos ensinar.

 

Medite por Trinta Minutos

Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxada(o), mas, atenta(o). Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense, nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.