Reflexões da Quaresma

Durante toda a Quaresma, Dom Laurence envia suas reflexões diárias para a Comunidade.
Quaresma 2019 >
Quaresma 2018 >
Quaresma 2017 >
Quaresma 2016 >
Quaresma 2015 >
Quaresma 2014 >
Quaresma 2013 >

Séries de Palestras

Encontre um Grupo de Meditacao Crista

Quinto Domingo da Quaresma

D. Laurence Freeman


Quinto domingo da Quaresma


João 12, 20-33: Mas é exatamente para isso que vim a esta hora.

A mente humana pode ser muito reativa. Se não obtemos o que queremos nós nos enraivecemos, reclamamos ou atacamos seja lá o que for que possamos culpar pelo nosso desapontamento.

É impressionante quão cruel e irracional podemos ser mesmo com relação a coisas pequenas quando elas não saem como queremos. Nessas horas nós enterramos os saltos de nossos sapatos mais profundamente na lama da negação e braveza mesmo que ao fazer isso nós aumentemos nossa dor e a distância entre nós e os outros.

A dor e a tristeza normalmente nos separam e nos isolam. Algumas vezes elas até nos separam daquelas mãos que se estendem nos oferecendo salvação ao tentar nos conectar novamente a uma fonte de compaixão e salvação no outro. A dor e a raiva podem iniciar uma combustão violenta que nós desfrutamos, sombriamente, ainda que ela nos prejudique.

Reagindo – ou respondendo. A mente treinada, com acesso à inteligência espiritual do coração, o conhecimento que chamamos sabedoria, responde mais do que reage. Mesmo em meio à perda e confusão e medo nós podemos aprender a escolher outro caminho. Mais do que a reação de raiva há a resposta da aceitação. Simplesmente aceitando o que é. Nessa abertura para a verdade – a verdade é o que é – a opção pela violência se dissolve. Vemos com uma maior razão que a violência é uma terrível falta de imaginação.

Mas é por isso que estou aqui, enfrentando tudo isso – disse Jesus. Quando respondemos aos incidentes dessa maneira deixamos o passado para trás e uma luz brilhante de trás de nós ilumina a estrada à frente.


Com amor
Laurence


Texto original em inglês

5th Sunday of Lent

Jn 12: 20-33: it was for this purpose that I came to this hour

The human mind can be very reactive. We don’t get what we want and we rage, complain or attack whatever we can blame for the disappointment. It is astonishing how cruel and irrational we can be even over relatively minor things when things don’t go our way. At such times we dig our heels more deeply into the mud of negativity and anger even though in doing so we increase our own pain and the distance between us and others.

Pain and sadness usually separate and isolate us. Sometimes they even sever us from the very hand that stretches out offering to save us by connecting us again to a source of compassion and healing. To another. Pain and anger can make a violent combustion which we darkly enjoy even as it harms us.

Reacting - or responding. The trained mind with access to the spiritual intelligence of the heart, the knowledge we call wisdom, responds rather than reacts. Even in the midst of loss and confusion and fear we can learn to choose another way. Rather than the reaction of anger there is the response of acceptance. Simply accepting what is. In that openness to truth – the truth is what is – the option for violence dissolves. We see with a higher reason that violence is a terrible lack of imagination.

This is why I am here, facing all this – Jesus said. When we respond to events in this way we leave the past behind and a bright light from behind us illuminates the road ahead.

 

With love

Laurence

 

Medite por Trinta Minutos

Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxada(o), mas, atenta(o). Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense, nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.