Reflexões da Quaresma

Durante toda a Quaresma, Dom Laurence envia suas reflexões diárias para a Comunidade.
Quaresma 2019 >
Quaresma 2018 >
Quaresma 2017 >
Quaresma 2016 >
Quaresma 2015 >
Quaresma 2014 >
Quaresma 2013 >

Séries de Palestras

Encontre um Grupo de Meditacao Crista

Sábado da quarta semana da Quaresma

D. Laurence Freeman

Reflexões da Quaresma - Laurence Freeman

Um dos nossos maiores e, ao mesmo tempo, mais compreensíveis fracassos é a incapacidade de enxergar que nós não enxergamos o mundo como nossos antepassados o faziam.

Com o passar do tempo, até mesmo a distância entre pais e filhos e, é claro, ainda mais entre séculos, perspectivas e premissas fundamentais mudam.

Nós olhamos para as mesmas coisas materiais – por exemplo, o pico de uma montanha coberto por nuvens, crianças que brincam, jovens soldados que desfilam em uma parada militar, ou uma rota commercial – porém o seu significado, e nossa relação com ele, pode ser completamente diferente daquela de nossos ancestrais. Ler os salmos, tomar conhecimento deles e amá-los, nos ajuda a perceber isso. O salmista olha para as forças da natureza e para as maneiras dos homens como revelações da invisível, porém onipresente, inteligência de Deus. A sua beleza encanta o salmista, até mesmo ao ponto de sentir medo, e o empolga com uma sensação de admiração. O mundo é encantado.

Apesar de que esse entendimento pré-científico nos parece ridículo, com o nosso novo conhecimento das coisas, podemos, não obstante, ter perdido algo essencial sobre as coisas, mesmo ao ter aprendido a explicá-las e categorizá-las. Deslumbrados pelos dados, facilmente perdemos o significado e, a realidade do mistério (algo que é maior do que nós) é submergida por análises e reduções a números. Sem dúvida isso ajuda a explicar o porquê a economia e as finanças terem substituído a maioria das outras formas de geração de valor e significado. Mas, ficamos com uma sensação de secura em nossas bocas, um sentimento de alienação do mundo; e não há outro local para o qual possamos ir afim de nos recuperarmos e nos reconectarmos, a não ser o nosso próprio coração.

 


 

Texto original em inglês

Saturday Lent Week 4

One of our greatest and yet most understandable failures is the inability to see that we don't see the world as our predecessors did. Over time, even the distance between parents and children and, of course, even more between centuries, fundamental perspectives and assumptions mutate. We are looking at the same material things - say a cloud-capped mountain, children playing, young soldiers parading or a trade route - yet their significance - and our relationship to it - can be utterly different from that of our ancestors. Reading the psalms and getting to know and love them helps us see this. The psalmist looks at the forces of nature and the manners of men as epiphanies of the invisible but omnipresent intelligence of God. Their beauty ravishes him, even to the point of fear, and makes him thrill with a sense of wonder. The world is enchanted.

Although, with our new knowledge of things, this pre-scientific understanding seems ridiculous to us we may nevertheless have missed something essential about them even as we have learned to explain and categorise them. Dazzled by data we easily miss meaning and the reality of mystery (something greater than us) is submerged in analysis and reduction to figures. No doubt this helps explain why economics and finance have replaced most other ways of making value and meaning. But we are left with a dry feeling in our mouths, a sense of alienation from the world; and there is nowhere else we can go to recover and be reconnected but to our own heart.

 

Medite por Trinta Minutos

Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxada(o), mas, atenta(o). Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense, nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.