Reflexões da Quaresma

Durante toda a Quaresma, Dom Laurence envia suas reflexões diárias para a Comunidade.
Quaresma 2019 >
Quaresma 2018 >
Quaresma 2017 >
Quaresma 2016 >
Quaresma 2015 >
Quaresma 2014 >
Quaresma 2013 >

Séries de Palestras

Encontre um Grupo de Meditacao Crista

Sábado da 2ª Semana da Quaresma

D. Laurence Freeman

Depois de semanas de chuva e frio, é difícil acreditar que o solo esteja preparando seu espetáculo anual de milagres. Então vem um dia ameno, ensolarado, cheio de cores e perfumes familiares de volta à paleta de sensações que você achava que havia desaparecido para sempre na monocromia do inverno. E você percebe que o milagre já começou e não gosta que fiquem olhando seus primeiros movimentos. Se encararmos a Natureza em termos humanos, veremos que ela é tímida a respeito de seus aspectos mais belos.

Talvez toda esta vida não estivesse ausente como parecia. Pontinhos verdes instigantes estão rompendo a superfície fria da terra, onde vinham aguardando este momento meteorológico (kairos) no qual aquilo que não se pode ver passa a ser visível. O ar fica levemente impregnado de calor. E mesmo que o dia de amanhã recaia no abraço severo do inverno, agora você possui um conhecimento que transforma sua maneira de lidar com ele.

Por um breve momento em nosso mundo artificial, os milagres da tecnologia são ofuscados diante dos mistério do cosmo. Nós nos damos conta de que pertencemos a um mundo muito mais profundo e vasto do que conseguimos construir com nossas próprias mãos e mentes. Por um momento de graça, o cosmo corre em nossas veias.

Sabemos que, embora no meio desta beleza existam pessoas chorando a partida de seus entes queridos, como Steve, hoje, no funeral de Marg em Melbourne, tudo se faz presente agora, o visível e o invisível, o que está aqui e o que está adiante. E, como os sábios descobriram e nós repetimos freqüentemente de forma banal, tudo vai acabar bem. Há beleza demais para que não seja assim. Primavera na Ilha de Bere, outono em Melbourne. Tudo ao mesmo tempo na mesma terra inocente. 

 



Texto original em inglês

 

Saturday Lent week 2

By Laurence Freeman OSB

After weeks of rain and cold it’s hard to believe that the ground is preparing its annual display of miracles. Then comes a mild day full of sunshine and colour and familiar scents returning to the palette of your senses that you thought had disappeared forever into the monochrome of winter. And you see that the miracle has already begun and doesn’t like its first stirrings to be looked at. Nature, if we see it in human terms, can be shy about its most beautiful parts.

Perhaps all this life was not as absent as appearances suggested. Provocative green tips are breaking the surface of the cold earth where they had been waiting for that kairos moment of convergence when what is unseen becomes visible. The air is tinged with at least a latent warmth. And even if tomorrow relapses into the harsh embrace of winter you know something now that changes the way you deal with it.

For a brief moment in our artificial worlds the miracles of technology pale by comparison with the mysteries of the cosmos. We see that we belong to a world much deeper and vaster than we can construct with our own hands and brains. For a moment of grace, the cosmos runs through our veins.

We know that, although in the midst of all this beauty there are people grieving for their loved ones, as Steve is today at Marg’s funeral in Melbourne, all is present now, the visible and the invisible, what is here and what is around the corner. And, as the wise discovered and we repeat too often as a mere platitude, though always with hope, all will be well. It’s too beautiful to be otherwise. Spring on Bere Island, autumn in Melbourne. All at the same time on the same innocent earth.

Medite por Trinta Minutos

Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxada(o), mas, atenta(o). Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense, nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.