Leitura da Semana

Acesse mais leituras e mensagens de D. John Main e D. Laurence Freeman:

Reflexões da Quaresma

Durante toda a Quaresma, Dom Laurence envia suas reflexões diárias para a Comunidade.
Quaresma 2019 >
Quaresma 2018 >
Quaresma 2017 >
Quaresma 2016 >
Quaresma 2015 >
Quaresma 2014 >
Quaresma 2013 >

Séries de Palestras

Encontre um Grupo de Meditacao Crista

Primeiro Domingo da Quaresma

D. Laurence Freeman

Repleto do Espírito Santo, Jesus voltou do rio Jordão, e era conduzido pelo Espírito através do deserto. Aí ele foi tentado pelo diabo durante quarenta dias. Não comeu nada durante esses dias e, depois disso, sentiu fome.


Os quarenta dias da Quaresma Cristã espelham o tempo que Jesus passou no deserto, após seu batismo e antes de tornar-se notório por seus temidos ensinamentos. A tripla tentação do ego – orgulho, sensualidade e poder – chegou ao final de seu jejum – quando estava com fome.

É quando sentimos que ganhamos que a ilusão é mais tentadora. Todo viciado conhece o sentimento de que o apuro que virá é alguma coisa que ele merece – após um difícil dia de trabalho ou um louvável período de auto-controle. A fraqueza do corpo cria uma defesa espúria e auto-desilusão. Não há nada mais enganador que a mente seguindo seu velho caminho neural, confortável com a repetição da mesma coisa e fortemente resistente à mudança.

A prática da meditação requer a construção gradual de novos caminhos neurais – hábitos da mente – que levam tempo e que dificilmente podem ser realizados pela pessoa em si. Mesmo na primeira fase de aprendizado, a meditação nos ensina que somos essencialmente relacionais. A grande ilusão de que somos autônomos reside principalmente em nossos erros e más decisões. Meditar com os outros é uma simples e misteriosa aceitação de que somos inter-relacionados e que os outros não são objetos a ser vistos de cima mas pessoas com as quais dividimos o trabalho de tornarmo-nos humanos.

Jesus foi tentado por uma falsa divindade, mas preferiu uma humanidade verdadeira. A descoberta da meditação que praticamos no ‘deserto’ interior – o estado de simplicidade radical – é que ao nos tornarmos humanos estamos sendo também divinizados. Esta estranha ideia torna-se real ao provar os frutos da meditação na vida cotidiana. Nós vemos que podemos de fato ser transformados e realizados além de qualquer dos limites que definimos para nós mesmos. Tentação significa o encontro com as forças persuasivas da ilusão. Os mestres do deserto asseguram-nos de que este encontro é necessário para nosso crescimento. A ilusão vaporiza-se assim que é exposta.

Medite por Trinta Minutos

Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxada(o), mas, atenta(o). Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense, nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.