Encontro com o Outro

Leitura de Domingo, 03 Junho 2018
Laurence Freeman, OSB

extraído de A Luz que Vem de Dentro (São Paulo: PAULUS, 1989), pg. 88.

Ao meditarmos, aprendemos a deixar para trás todas as imagens que fazemos de nós mesmos, pois essas imagens são estranhas a nosso verdadeiro ser. São como rótulos imprecisos. Essa nossa auto-análise que rotula, que pensa ser tão esperta, nos separa do conhecimento do verdadeiro ser e, do redentor encontro com a realidade. Nos aprisionamos na consciência do si mesmo. Só precisamos compreender que fomos libertados e, que a perfeita liberdade se alcança nas profundezas de nosso espírito, na liberdade do Cristo, a liberdade de seu amor puro. Se apenas pudermos aprender a ser simples, a aceitar o presente que foi livremente doado e, a sermos fiéis a esse dom, poderemos nos voltar para essa realidade. Se aprendemos a repetir o mantra, ele nos ensina como amar e, nos ensinará como nos expandirmos para além das imagens de nós mesmos, para a realidade de nosso ser, que é uno com a realidade do Cristo. Nos ensinará a sermos nós mesmos e, a conhecer a felicidade de estar em comunhão.

 



Texto original em inglês

Meeting the Other
Laurence Freeman OSB
LIGHT WITHIN: The Inner Path of Meditation (New York: Crossroad, 1989), pp. 67

When we meditate we learn to leave all images of ourself behind because the images are strangers to our real self. They are like inaccurate labels. Our labeling self-analysis, which thinks to be so clever, isolates us from the knowledge of the real self and from the redemptive encounter with reality. We imprison ourselves in self-consciousness. We have only to understand that we have been liberated and that perfect liberty is achieved in the depth of our spirit in the liberty of Christ, the liberty of his pure love. We can turn to that reality if only we can learn to be simple, to accept the freely given gift and to be faithful to the gift. If we learn to say the mantra it teaches us how to love, and it will teach us how to expand beyond all images of ourself into the reality of ourself as one with the reality of Christ. It will teach us to be ourself and to know the joy of being in communion.